Pesquisar neste blogue

24.1.16

MomentoTED - Robert Waldinger


Um estudo muito interessante em que o tempo dá as respostas que só o tempo poderia dar. Sendo o ser humano um ser social e sociável, é com e nas boas relações, que cada um de nós tem a oportunidade de se ir conhecendo ao revelar-se, tal como, conhecemos quem connosco interage. De que outra forma sentiríamos a força do nosso abraço? Ouviríamos os nossos pensamentos pela nossa voz? Como sentiríamos as emoções que em nós habitam e que ganham visibilidade nas interacções com o outro? Como manteríamos o nosso equilíbrio nos dias menos bons sem a partilha com quem nos ouve incondicionalmente? Com quem nos abraça naturalmente transferindo a boa energia  que nos falta? Acredito que são nas partilhas diárias que acontecem nas nossas relações sociais, que a energia do universo flui. Acredito que da qualidade das nossas relações íntimas [das que nos revelam a essência e nos focam no essencial] depende o nosso bem estar, o mesmo que promove a nossa saúde e a nossa qualidade de vida.

"Não há tempo, tão breve é a vida, para discussões, desculpas, amarguras, prestação de contas. Só há tempo pra amar e mesmo para isso, é só um instante". Mark Twain




17.1.16

Regresso


E assim passou um ano. Um ano e três semanas.
Um ano intenso, repleto de novidades, emoções, momentos solitários e outros partilhados, experiências [dolorosamente] enriquecedoras, viagens frequentes ao interior do ser, ... um ano onde a escrita esteve presente, quase diariamente, para que através dela pudesse ouvir, pela minha voz, o que sentia e pensava. Palavras de mim para mim. A verdade é que organizo melhor o pensamento sempre que o exteriorizo. E existem momentos das nossas vidas em que tudo o que sai de nós é nosso e para nós. Esta foi a razão da ausência. Outras coisas, como voltar a escrever aqui, não se explicam... acontecem.



23.12.14

Aqui ... no sábado!


Um dia, momentos, horas, minutos que nos reconciliam, nos reconfortam, que, no sítio certo, nos fazem reencontrar a paz que nos escapa. Por vezes é necessário recuar, regressar ao momento e ao lugar onde reconhecemos os cheiros, os sons, onde nos reconhecemos, onde recordamos o caminho percorrido. Lá estão as nossas referências, lá encontramos a nossa bússola, lá conseguimos reposicionar  a nossa pessoa... até que e outros momentos voltem para baralhar tudo.









23.10.14

MomentoTED - Ken Robinson

É muito prazeroso ouvir Ken Robinson... pelo seu refinado humor britânico, pela sua sabedoria tão assertiva, pela paixão com que fala da educação, pela inteligência na desconstrução de paradigmas... Ouvir Ken Robinson é dar sentido, é legitimar, é considerar uma panóplia de sentimentos, emoções e pensamentos que por vezes me invadem sem que tenham espaço nem contexto para a formalização.

7.7.14

Vontade Maior



Na vida existem estes momentos turbulentos, cheios  de sentimentos confusos, de desejos atropelados, de pesadas incertezas... momentos em que nos sentimos bloqueados, nada fluí, vemo-nos imóveis, à espera do futuro. São momentos de rutura, momentos de encruzilhadas, momentos de dicotomias, momentos que esperam a nossa decisão, a nosso escolha, a nossa vontade maior... 





24.6.14

O tempo do tempo



Tudo tem o seu tempo... a chuva pára para dar lugar ao sol. 
É preciso dar tempo ao tempo para que a seu tempo tenhamos o que mais desejamos.